07/10/2021 19:43:10
Jim Ryan adoraria um mundo onde ainda mais pessoas possam aproveitar os jogos da Sony
O presidente e CEO do PlayStation expõe suas esperanças por uma indústria de jogos mais onipresente e ilimitada.
PS5PS4


O chefe da Sony Interactive Entertainment, Jim Ryan, diz que deseja que os jogos do PlayStation alcancem centenas de milhões de jogadores, não apenas dezenas de milhões.

Em um bate-papo durante a GI Live: London, o chefe da PlayStation diz que um jogo de sucesso no PS4 ou PS5 tem cerca de 10 a 20 milhões de vendas, mas espera que isso mude conforme os jogos se tornem onipresentes como filmes e músicas. Confira os principais assuntos abordados:

"Espero que o PlayStation 5, e realmente acredito que o PlayStation 5, será o maior, melhor e mais amado PlayStation da Sony. Espero que isso aconteça." disse Ryan quando questionado sobre suas esperanças para o futuro.
"Eu também gostaria de ver um mundo onde os jogos que fazemos para o PlayStation possam ser desfrutados por dezenas de milhões de pessoas. Talvez centenas de milhões de pessoas. Agora mesmo, um sucesso com o modelo de console atual, um ótimo jogo de PlayStation que alcança cerca dez a vinte milhões de pessoas sendo capazes de jogá-lo.

Estamos falando de jogos que se contrapõem à música, estamos falando de jogos que se contrapõem aos filmes. Músicas e filmes podem ser apreciados por um público quase ilimitado. E acho que algumas das artes que nossos estúdios estão fazendo são do melhor entretenimento que já foi feito em qualquer lugar do mundo. E meio que fechar o público para a arte maravilhosa, o entretenimento maravilhoso que nossos estúdios estão fazendo, fechar o público para isso, se limitando a 20 ou 30 milhões de jogadores me frustra. Eu adoraria ver um mundo onde centenas de milhões de pessoas pudessem desfrutar desses jogos." Concluiu ele.

Tem sido um ano difícil, com atrasos nos jogos e problemas de fabricação de consoles. Mas quando você olha para a recepção de The Last of Us: Part II, Ghost of Tsushima, Marvel's Spider-Man: Miles Morales, Returnal e Ratchet & Clank. O número de estúdios e empresas que você adquiriu. E o impulso por trás do PS5 ... você deve estar muito feliz com a forma como ele foi.

"Sim! Tem sido uma jornada e tanto nos últimos 18 meses. Fechamos os escritórios em março de 2020, como todo mundo. E eu voei de volta. Meu estilo de vida tem sido bastante incomum. Sinto que estou passando a maior parte da minha vida trabalhando no escuro. Eu me levanto muito cedo pela manhã, faço o cruzamento com o Japão, depois faço uma pausa, e então começo de novo para o cruzamento com os Estados Unidos. Então eu não consigo ver muito a luz do dia na maior parte do tempo. Isso foi estranho.

Mas estou muito orgulhoso e feliz com o que a equipe tem conseguido alcançar ao longo desse período, e você listou isso. Ótimos jogos em 2020 com Ghost of Tsushima e The Last of Us: Part II. Isso foi algo incrível de uma mesa de jantar em Highgate, no norte de Londres. Foi uma experiência bastante incomum e não uma que eu gostaria de repetir, mas foi uma explosão passar por ela."

Deve ter sido difícil promover o PS5 sem a capacidade de fabricá-lo. Mas os fãs ainda apareceram .

"Você tocou nas dificuldades de fabricar o aparelho em uma pandemia. Obviamente, é extremamente desafiador. Mas estou muito feliz e orgulhoso por termos conseguido 10 milhões de unidades vendidas mais rápido do que antes. Há toneladas de demanda lá fora, mas realmente construir os aparelhos, retirá-las da China, colocá-las nas lojas e vendê-las, foi um esforço heroico".

Uma das coisas que você tem feito é ter tido a iniciativa de criar o Play At Home, onde oferece jogos gratuitos para as pessoas terem com o que se ocupar dentro de casa durante o lockdown. Eu vejo que ainda está acontecendo. Como foi isso?

"Fizemos duas ondas. Ficamos impressionados, pois todos estavam lutando contra o primeiro lockdown, nós pensamos que isso seria uma coisa legal de se fazer. Conseguimos fazê-lo e ficamos muito felizes com a reação. E então passamos o Natal e começamos o lockdown novamente, e todo mundo foi um pouco miserável. Achamos que seria uma coisa boa para repetir. Então, fizemos de novo, desta vez por um período de vários meses, e agora, na verdade, 60 milhões de jogos foram resgatados como parte dessa atividade."

Está feito agora?

"Bem, depende se o COVID está pronto. É uma daquelas coisas. Veremos como o mundo evolui. Se o lockdown, Deus me livre, deve continuar em 2022 e além, quem sabe? Podemos sentir que temos que fazer isso de novo. Vamos esperar para ver."

Bem, parte desta sessão é sobre como olhar para sua carreira. Porque não há muito sobre isso. Você estava na PlayStation desde o início, o que fazia naquela época?

"Fui contratado em 1994, um ano antes do lançamento do primeiro PlayStation. E minha missão era estabelecer as empresas de PlayStation na Europa Continental. Tínhamos talvez 20 pessoas neste prédio em Londres focadas no Reino Unido, mas não tínhamos absolutamente nada na Europa. Então, minha tarefa era sair, encontrar escritórios, contratar pessoas, colocar sistemas e processos em funcionamento, obter forças de vendas, organizar a distribuição, etc. Tudo começou com a Alemanha, depois foi a França, Itália, Espanha, Suíça, Áustria, Escandinávia e afins. Foi realmente uma tarefa difícil e desafiadora, mas no final das contas foi gratificante em alguns anos."

Será que eu li em algum lugar que você iria literalmente comprar os móveis?

"Aluguei um escritório em Frankfurt e percebemos que não havia mesas ou cadeiras ali. Então, não havia muito dinheiro sobrando naquela época porque não tínhamos vendido nada. Portanto, não havia dinheiro. Então acabamos indo para a IKEA e comprando as escrivaninhas, e depois tentando descobrir se ainda tínhamos dinheiro para pagar alguém para montá-las, ou se teríamos que fazer isso nós mesmos. Felizmente, devido às minhas habilidades de faz-tudo, encontramos dinheiro para que alguém as montassem, e aquelas escrivaninhas realmente nos serviram bem por vários anos. Fiquei muito orgulhoso dessas mesas. IKEA, recomendo a qualquer pessoa."

Você se lembra quando jogou pela primeira vez um jogo de PlayStation?

"Sim, o primeiro jogo, e você deve se lembrar ou não desse jogo, foi Jumping Flash. Era um jogo de plataforma do nosso Japan Studio, e fiquei maravilhado com essa plataforma em 3D. Se você se lembra do Jumping Flash, estou impressionado com você. Foi um dos títulos de lançamento do PlayStation 1, então foi o meu primeiro.

Então, depois de abrir esses escritórios europeus, o que você fez a seguir? Então fizemos isso, e obviamente consumiu tudo por alguns anos. Depois disso, dirigi a função de finanças da organização europeia. O negócio era realmente regional naquela época. Havia uma espécie de empresa europeia totalmente independente, uma empresa americana totalmente independente e uma empresa japonesa totalmente independente. E eu administrava finanças para a Europa. E então passamos pelo ciclo do PS1, e então chegamos ao PS2. O que foi uma experiência diferente."

O PlayStation 1 foi um grande sucesso. Mas foi o PlayStation 2 que se tornou o console de maior sucesso de todos os tempos.

"Acabou sendo o mais bem-sucedido, mas o que as pessoas realmente esquecem é que na Europa foi muito difícil no começo. Estamos falando de 1999/2000. As economias europeias estavam uma bagunça e não havia euro, então tínhamos £ 299, 800 marcos alemães, 2.100 francos franceses, 2.000 pesetas, 40.000 liras, então foi muito confuso e muito difícil. Os EUA iam bem, o Japão ia bem, mas não conseguíamos vender nada na Europa.

A liderança da qual eu fazia parte foi convocada para Tóquio para sentar-se com Ken Kuturagi, o pai do PlayStation. Ken é uma figura muito imponente, pessoalmente e no nível da indústria. E ele nos sentou e disse apenas: "Por favor, mude seu negócio ineficiente". Então nós pensamos 'Sim, Ken, esse é um ótimo conselho, vamos em frente para fazer isso.' Então voltamos e resolvemos fazer melhor. E o resto é história, porque a Europa acabou no território da liderança com o PS2.

Uma das coisas de que me orgulho é que meio que empurramos o envelope. Abrimos mercados que nunca tinham tido uma cultura de jogo. No Oriente Médio, as pessoas nunca haviam jogado jogos do PlayStation antes. A Rússia tinha uma pequena indústria de jogos antes do PlayStation. A Espanha tinha uma indústria de jogos muito pequena antes do PlayStation. Então, realmente forçamos o limite geograficamente.

E então uma das coisas que concluímos foi tentar ampliar o público, e então tivemos o fenômeno dos jogos sociais SingStar e Buzz, que realmente mudaram o grupo demográfico para lugares onde nunca tínhamos ido antes."

Quais você acha que foram os momentos-chave durante o seu tempo com o PlayStation?

"Aquele momento [Ken] foi bastante formativo, e uma bela formação de caráter, na verdade.

Eu teria que voltar ao lançamento do PlayStation 4. Obviamente tínhamos lutado para abrir caminho no PS3, que tinha uma série de desafios bem documentados. E acho que estávamos todos meio cansados ​​e exaustos, e então o grande momento foi na E3 2013, mas foi um grande momento. Pensamos: 'Uau, podemos fazer isso' e que talvez o PlayStation estivesse de volta.

Esse foi um, e o outro seria o lançamento do PS5 no ano passado. Em uma série de eventos estranhos, quase surreais, por todos os tipos de razões. Como eu disse, fazendo este lançamento de uma mesa de jantar no norte de Londres, com a maioria dos meus colegas na costa oeste da América a muitos milhares de quilômetros e oito horas de distância. E os outros colegas no Japão estão ao mesmo número de milhares de quilômetros de distância, mas na direção oposta e no fuso horário oposto. Aprendi muito com isso."

Em seguida, você deixou de ser uma figura pública nos bastidores quando se tornou o chefe da Europa. Como você encontrou essa transição?

Na verdade, sou uma pessoa naturalmente muito tímida. Sou bastante introvertido, então falar em público é algo que nunca me veio naturalmente. Mas depois de um tempo, você cria relacionamentos com pessoas como você, nós nos vimos várias vezes e eu gosto disso, e é na verdade uma parte bem divertida do trabalho agora.

Lembro-me de ter visto você pouco antes de seu primeiro discurso na Gamescom. Você parecia um pouco nervoso.

"Andrew House dirigia a Europa e foi promovido a voltar a administrar o PlayStation, baseado fora de Tóquio. Eu recebi aquela Gamescom com duas semanas de antecedência, então eu fui um pouco notificado.

Uma das coisas estranhas com o lançamento do PS5, é que todos os eventos equivalentes foram feitos digitalmente. Provavelmente fiz isso nesta sala duas ou três semanas antes do lançamento e, em seguida, assisti o evento de lançamento na TV em casa com minha família. Dos muitos eventos surreais do ano passado, esse foi provavelmente o mais surreal de todos."

Fizemos um evento de premiação na outra semana que foi pré-gravado. Há algo bom em poder sentar e desfrutar de um grande momento.

"Sim, mas quando você tem seus filhos rindo de você na tela, isso é meio que preocupante."

O que é o PlayStation para você? O que você acha que o define e o torna diferente?

"Eu sempre trago isso de volta para três coisas. Obviamente, o mais importante são os jogos. Mas o segundo, e eu acho que este é um fenômeno que cresce a cada ano que passa, é esse senso de comunidade do qual as pessoas que gostam de PlayStation podem participar. E o terceiro é a nossa marca. O PlayStation sempre foi legal. E acho que uma das coisas de que mais gosto nestes meses de formação do PlayStation 5, é que ainda estamos na vanguarda de algo que as pessoas realmente querem estar associadas. E eu acho isso ótimo."

Então, o que você acha que torna o PS5 'legal'?

"São, em primeiro lugar, os jogos. Você tem que voltar a isso. Eu disse isso na época e mantenho, a linha de lançamento dos jogos foram a melhor que já tivemos, e eu apresentaria provavelmente a melhor que qualquer plataforma de console já teve no lançamento. Acho que o trabalho que fizemos desde então com Returnal e Ratchet & Clank, e também MLB: The Show nos EUA, que é um bom jogo. E o pipeline de jogo que estamos chegando é simplesmente fantástico. É de longe o mais forte que já tivemos para qualquer um dos nossos consoles, e mal posso esperar para ver esses jogos começarem a sair um após o outro com Horizon Forbidden WestGod of WarGran Turismo 7, etc. Acho que é isso que nos define."

Qual foi um de seus jogos favoritos lançados recentes?

"Ratchet & Clank: Rift Apart. Eu amo esse jogo. E eu acho que como algo que define o que o PlayStation 5 é capaz de fazer, esse é o primeiro grande exemplo. E haverá muito mais por vir nos próximos meses e anos. Mas você olha para isso e diz 'uau, você não poderia fazer isso em nenhum outro console'. É um jogo lindo e ao mesmo tempo tão bom de ter a Insomniac Games como parte de nossa família. Esses caras têm produzido coisas excepcionais, e têm estado ocupados."

Prever o futuro pode ser um jogo de tolos. Fala-se muito em nuvem, streaming, VR, assinaturas, metaversos e afins. Qual você acha que é o desenvolvimento mais interessante?

"Quando você se afasta, o que mais me entusiasma é que os jogos estão se tornando cada vez mais onipresentes. E essa onipresença aumenta a cada ano e a cada geração de consoles. Você pode ver, o jogo está aprovando para um público mais velho, é atraente para um público mais jovem, a paridade de gênero aumenta a cada ano que passa, a profundidade do envolvimento aumenta e, geograficamente, há pessoas em mercados sem qualquer cultura de jogo que estão começando a ser capaz de acessar jogos. E eu acho que esse fenômeno é tão empolgante em termos do que significa para as pessoas que fazem jogos, em termos de uma audiência em expansão massiva. Eu recuo, e isso pode ter um certo intervalo de tempo associado a isso, mas não vejo razão para que os jogos sejam tão onipresentes quanto música, filmes ou programas de TV."

Como você acha que podemos acelerar esse procedimento? Será que acontecerá naturalmente com o tempo?

"Isso vai acontecer organicamente. Haverá pessoas como você que começaram com o PlayStation 1 nos anos 90. Pessoas que tinham 18 anos em 1995 estão agora na casa dos quarenta e muitos deles ainda estão entre nós. E isso vai continuar. Essas pessoas vão continuar jogando. Diferentes tipos de jogos e diferentes padrões de jogo. A passagem do tempo ajudará organicamente a essa onipresença.

Uma das coisas que gosto no que estamos fazendo é que parecemos estar ressoando extremamente bem com um público muito jovem ao mesmo tempo. Essa é uma das razões pelas quais estou realmente otimista sobre o PlayStation 5. Mas este não é um fenômeno do PlayStation, é um fenômeno do entretenimento.

E também acho que a tecnologia vai ajudar. Esta é uma área que estamos particularmente bem posicionados para desfrutar. À medida que cada geração de tecnologia surge, o poder de processamento aumenta, o poder gráfico aumenta, o que, em abstrato, é absolutamente sem sentido. Mas na medida em que eles fortalecem a arte de contar histórias e a habilidade de retratar personagens, retratar emoções, retratar personalidade, particularmente as experiências de jogos de ponta se tornarão cada vez mais realistas, elas se tornarão mais ricas, mais envolvente emocionalmente. E acho que isso levará a uma convergência cada vez maior com outras formas de entretenimento, principalmente o cinema. E acho que isso vai acelerar esse processo de onipresença."

E parece que a pandemia acelerou parte dessa onipresença

Certamente que sim. Falamos sobre jogar em casa, o que foi muito importante para ajudar a garantir o engajamento da comunidade. Mas, em geral, todas as empresas de jogos tiveram um interesse considerável nos jogos que estão fazendo. Parte disso vai persistir, e nós damos as boas-vindas a isso, e estamos felizes em tentar dar a essas pessoas o máximo de jogos que pudermos.

Finalmente, para todos os jogos, o que você espera para o futuro do PlayStation?

"Espero que o PlayStation 5, e realmente acredito que o PlayStation 5 será o maior, melhor e mais amado PlayStation da Sony até então. Espero que isso aconteça.

Eu também gostaria de ver um mundo onde os jogos que fazemos no PlayStation possam ser desfrutados por dezenas de milhões de pessoas. Talvez centenas de milhões de pessoas. Agora mesmo, o sucesso com o modelo do console atual, um grande sucesso no PlayStation, estamos falando de dez ou vinte milhões de pessoas sendo capazes de jogar aquele jogo.

Estamos falando de jogos que se contrapõem à música, estamos falando de jogos que se contrapõem aos filmes. Músicas e filmes podem ser apreciados por um público quase ilimitado. E eu acho que algumas das artes que nossos estúdios estão fazendo são alguns dos melhores entretenimentos já feitos em qualquer lugar do mundo. E meio que bloquear o público para a arte maravilhosa, o entretenimento maravilhoso que nossos estúdios estão fazendo. Bloquear o público para isso, limitando-se a 20 ou 30 milhões de jogadores, me frustra! Eu adoraria ver um mundo onde centenas de milhões de pessoas pudessem desfrutar desses jogos."

E você? O que achou desse bate-papo descontraído de Jim Ryan com a Gamesindustry?

Visualizações: 11
Curta a página da Game Overx no Facebook.


Noticias relacionadas!
Ultimas noticias!
Noticias relacionadas!
Ultimas noticias!
Comentários (0)
Precisa estar logado para fazer comentários

| Esqueceu a senha?


Feito a mão, mais feito com s2
Game Overx 2020 © 2021