Pular para o conteúdo

Attack on titan análise comparativa do final no anime e no mangá

O anime Attack on Titan, baseado no mangá de sucesso de Hajime Isayama, concluiu sua jornada épica com um episódio de 85 minutos, após uma década de emocionantes reviravoltas. No entanto, a conclusão da adaptação animada deixou o público dividido devido às diferenças notáveis em relação ao desfecho original do mangá. Neste artigo, vamos explorar as principais disparidades entre o final do anime e do mangá, destacando as escolhas narrativas e visuais que geraram reações diversas.

Diálogo Crucial entre Eren e Armin: Genocídio e Liberdade

Uma das mudanças mais significativas ocorreu no diálogo crucial entre Eren Yeager e Armin Arlert. No mangá, Armin inicialmente reconhece as ações genocidas de Eren, confrontando-o com a realidade sombria de suas escolhas. No entanto, no anime, essa cena foi modificada, abandonando o reconhecimento de Armin sobre os atos genocidas de Eren. Esta alteração gerou controvérsias e provocou reações negativas por parte de alguns fãs.

Hajime Isayama, o criador da obra, expressou arrependimento em relação às reações negativas e posteriormente modificou o trecho no mangá. A mudança consistiu em substituir o reconhecimento por um agradecimento à liberdade de Armin, proporcionando uma resolução mais ambígua e aberta à interpretação.

Representação Futurista de Paradis nos Créditos Finais

Outro ponto de discordância entre o anime e o mangá foi a representação de Paradis nos créditos finais. Enquanto o mangá mantém uma visão mais modesta da ilha, o anime apresenta uma visão futurista, sugerindo um salto temporal além dos eventos principais da história. Essa representação visual avançada da arquitetura de Paradis deixou alguns fãs intrigados, questionando as possíveis ramificações dessa visão futurista para o futuro do mundo fictício criado por Isayama.

Metáfora Visual no Último Abraço de Eren e Armin

Uma das cenas mais emocionantes do final de Attack on Titan foi o último abraço entre Eren e Armin. No entanto, uma diferença notável é a metáfora visual presente no anime. Enquanto no mangá o chão é retratado como o oceano ou pegadas de titãs, o anime representa o solo como um rio de sangue. Essa mudança visual intensifica a simbologia da cena, destacando as vidas perdidas devido às ações genocidas de Eren e reforçando a natureza trágica da trama.

Sobre Attack On Titan

Attack on Titan, criado pelo mangaká Hajime Isayama, tornou-se um dos mangás mais renomados globalmente. Ambientado em um mundo fantasioso onde a humanidade se refugia dentro de enormes muralhas para se proteger de gigantes que se alimentam de seres humanos, a história gira em torno de Eren Yeager e sua busca por vingança após testemunhar a morte de sua mãe.

O mangá, que permaneceu em publicação por 12 anos, cativou os leitores com sua trama madura e cheia de reviravoltas. A adaptação em anime também alcançou grande sucesso, expandindo a base de fãs globalmente. Além disso, Attack on Titan transcendeu as páginas do mangá e as telas do anime, sendo adaptado para videogames, light novels e filmes live-action.

Em conclusão, as diferenças entre o final do anime e do mangá de Attack on Titan geraram intensas discussões entre os fãs. Enquanto algumas mudanças foram bem recebidas, outras provocaram controvérsias. O legado de Attack on Titan continuará a ecoar na comunidade de fãs, proporcionando uma rica fonte de debate e reflexão sobre as escolhas artísticas e narrativas feitas pelo criador Hajime Isayama.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *